Retorno da Santa Missa com fiéis

Santa Maria de Belém do Grão-Pará, 6 de junho de 2020

Caros fiéis, Salve Maria.

Para a maior glória de Deus, exaltação da Santa Madre Igreja e salvação das almas, comunicamos que neste domingo, 7 de junho, festa da Santíssima Trindade, retomaremos a celebração da Santa Missa com o povo na igreja de Nossa Senhora do Carmo (Travessa Dom Bosco – Cidade Velha), às 16h00 e às 18h00. Para participar, é necessário inscrever-se pelo formulário virtual (consta nos horários acima), em razão da limitação de lugares.

Não obstante, conforme admoesta nosso Arcebispo metropolitano, Dom Alberto Taveira Corrêa, o retorno dos fiéis à Liturgia deve ocorrer:

[…] com as necessárias medidas de prudência, com a devida segurança e disciplina. Todas as nossas iniciativas deverão estar em sintonia com as orientações e determinações das autoridades civis e sanitárias. Continuar respeitando as medidas sanitárias do distanciamento social evitando, dessa forma, a reunião desordenada de fiéis. Para toda e qualquer iniciativa é necessário considerar a nossa responsabilidade civil e penal.

Portanto, não se trata de uma arbitrariedade ou de uma veleidade nossa, tampouco uma opção ou uma sugestão: a não observação das medidas sanitárias implica em nosso próprio prejuízo, no prejuízo do bem comum. A título de exemplo, ninguém paga multas de trânsito “por convicção” ou “por prazer”: pagar multas não exige convicção ou gosto, exige apenas o bom senso de preferir o pagamento da multa à suspensão da carteira de habilitação. Então o que pedimos aos fiéis é apenas o bom senso de preferir a Missa com estas condições do que exigir condições que não podemos oferecer. O acesso aos Sacramentos, isto é, aos canais da graça instituídos por Nosso Senhor, vale mais do que tudo; e sejamos honestos: usar uma máscara não é, de longe, renunciar aos artigos do Credo. Em compensação, convém perguntar-nos: renunciar à Santa Missa para não ter que usar a máscara não seria orgulho de nossa parte?

Recordemo-nos que os primeiros cristãos tiveram que se submeter a condições humilhantes por três séculos, durante as perseguições violentas do Império Romano. Se os primeiros cristãos tivessem exigido “condições ideais” de liberdade de culto, certamente não teriam frequentado os Sacramentos nas catacumbas, e assim teriam perdido as graças necessárias para suportar a perseguição e o próprio martírio. Então se entre nós há quem não concorda com as medidas sanitárias, saiba: preferir a sua “liberdade individual” ao invés da assistência à Santa Missa em tais circunstâncias não contribui nem com a santificação pessoal e tampouco com o bem comum, porque significa um católico a menos no culto público da Igreja. Por outro lado, quem verdadeiramente pretende defender os direitos da Santa Igreja fará o que estiver em seu alcance para participar da Liturgia, seja no domingo seja durante a semana. Com efeito, os direitos da Igreja não são defendidos em detrimento da nossa santificação e em espírito de revolta, mas sempre pela confiança em Deus e pelo fervor da caridade, como durante a prisão de São Pedro: “Pedro estava assim encerrado na prisão, mas a Igreja orava sem cessar por ele a Deus.” (At. XII, 5) O que esperamos dos nossos fiéis neste domingo é o espírito de oração unido ao bom senso. Tenhamos confiança em Nosso Senhor, procuremos a Sua Casa e os Seus Sacramentos, porque isto é necessário para a nossa salvação, enquanto nossas melhores “teorias” acerca da pandemia, das medidas sanitárias e de outras tantas questões políticas e sociais, enfim, nossas teorias não podem sequer salvar-nos dos males que pretendem diagnosticar ou prever.

Dito isso, para que o retorno da Santa Missa com o povo ocorra com ordem, devemos fazer valer as seguintes medidas sanitárias, algumas delas presentes no protocolo assinado pelo nosso Arcebispo:

    • Não poderão participar das celebrações as pessoas do grupo de risco;
    • Nenhuma pessoa portadora de sintomas de COVID 19 (febre, tosse, coriza, dor de garganta, dificuldade de respirar, etc.) deverá participar das celebrações; quem for identificado com tais sintomas será aconselhado a se retirar da assembléia;
    • Uso obrigatório de máscaras durante a celebração da Santa Missa, bem como a higienização das mãos antes de se entrar em recinto sagrado;
    • As portas e janelas deverão estar abertas, para assegurar a ventilação constante do recinto sagrado;
    • Evitar aglomerações na entrada da igreja;
    • Não abaixar a máscara para rezar, cantar ou eventualmente falar: se a máscara não for usada corretamente ela se torna ineficaz.

 

Não disponibilizaremos livretos ou véus na entrada da igreja: as senhoras e senhoritas devem se recordar de levar o próprio véu. Quanto aos livretos, cada um pode acompanhar o rito por meio do Ordinário da Santa Missa em formato pdf, após tê-lo baixado no próprio celular. Tome-se cuidado, no entanto, com as distrações durante a Santa Missa por causa do celular. É preciso desativar sons e notificações para fazer o uso ordenado do celular, pois distração voluntária durante a oração é uma ofensa a Deus.

Quanto ao Sacramento da Confissão, o Padre procurará ouvir confissões antes da Missa das 16h00 e certamente entre a primeira e a segunda Missa e após a segunda Missa.

Quanto à venda de livros e objetos de piedade, faremos o possível para que estejam à disposição dos fiéis, na entrada da igreja, se conseguirmos garantir o cumprimento das medidas sanitárias. Do contrário, continua sendo possível adquiri-los na residência dos Padres do Instituto Bom Pastor em Belém.

Quanto às ofertas em dinheiro, elas ocorrerão como de costume. Contamos com a generosidade de todos, em retribuição ao uso da igreja de Nossa Senhora do Carmo.

Recordamos que continua sendo possível pedir a Confissão e eventualmente a Comunhão durante a semana na residência dos Padres.

Que a Santíssima Virgem Maria, flor do Carmelo, o glorioso São José, Santo Antônio de Lisboa e São João Bosco continuem a interceder por nós junto a Deus.

Deus abençoe!

Padre Ivan Chudzik, IBP