Meditação – Da confiança em Maria, Rainha de Misericórdia.

Positusque est thronus matri regis, quae sedit ad dexteram eius – “Foi posto um trono para a mãe do rei, a qual se assentou á sua mão direita” 

Sumário.

O ofício da Santíssima Virgem no céu é compadecer-se dos miseráveis e socorrê-los, pois que exatamente para este fim o Senhor a constituiu Rainha de Misericórdia. Se nos quisermos salvar, recorramos com confiança a esta amada Mãe. A nossa confiança deve ser tanto maior quanto mais profunda for a nossa miséria, porque o miseráveis são destinados a ser a sua coroa de glória no paraíso. É, porém, mister que tenhamos a vontade de nos emendarmos.

I

Depois que a grande Virgem Maria foi elevada á dignidade de Mãe do Rei dos reis, com justa razão a santa Igreja a honra, e quer que todos a honrem, com o título glorioso de Rainha. Mas, não somente de Rainha, senão de Rainha de Misericórdia; porque ela é tão doce, clemente e inclinada a fazer bem a nós miseráveis: Salve, Rainha, Mãe de Misericórdia! Considerando João Gerson as palavras de Davi: duo haec audivi, etc. “Estas duas coisas tenho ouvido”, diz que, constituindo o reino de Deus na justiça e na misericórdia, o Senhor dividiu. O reinado da justiça, reservou-o para si, e o reinado da misericórdia, cedeu-o a Maria, ordenando que todas as misericórdias que se concedesse aos homens, passassem pelas mãos de Maria e se distribuíssem a seu arbítrio, de sorte que o ofício da Virgem no céu é compadecer-se dos miseráveis e aliviá-los.

Na Sagrada Escritura se lê que a rainha Ester, com medo de irritar o seu esposo Assuero, se recusou a interceder junto dele afim de que revocasse a sentença de morte pronunciada contra os Judeus. Mas Mardoqueu repreendeu-a e mandou dizer-lhe que não pensasse só em salvar-se a si, pois o Senhor a tinha posto sobre o trono para bem de todo o seu povo.

Não há perigo de que a nossa Rainha Maria jamais se recuse a ajudar os seus filhos; mas se em tempo algum ela recusasse alcançar-nos de Deus o perdão do castigo, de nós merecido, poderíamos também dizer-lhe: Ne putes, quod aniam tuam tantum liberes – Não cuideis, Senhora, que Deus vos elevou a ser Rainha do mundo só para bem vosso, senão também afim de que, elevada tão alto, possais compadecer-vos mais dos miseráveis, e socorrer a todos os homens que a vó recorrem: quia in domo regis es prae cunctis hominibus.

II

Refugiemo-nos, pois, mas refugiemo-nos sempre aos pés da nossa dulcíssima Rainha, se seguramente nos queremos salvar. Se nos espanta e nos desanima a vista dos nossos pecados, lembremo-nos que Maria foi feita Rainha de misericórdia afim de salvar com a sua proteção aos mais perdidos pecadores que a ela se recomendam. Estes hão de ser a sua coroa no céu, como disse o seu divino Esposo; coroa bem digna e própria da Rainha da misericórdia: Coronaberis de cubilibus leonum, de montibus pardorum.

Ó Maria, eis aqui a vossos pés um miserável escravo do inferno, que vos pede misericórdia. É verdade que não mereço nenhum favor; mas vós sois Rainha de misericórdia, e a misericórdia é para aquele que não a merece. Todo o mundo vos chama o refúgio e a esperança dos pecadores; sois, portanto, também o meu refúgio e a minha esperança. Sou como ovelha desgarrada, mas foi para ação das ovelhas desgarradas que o Verbo Eterno desceu do céu e se fez vosso Filho; ele quer que eu a vós recorra e que vós me socorrais com as vossas orações.

Sancta Maria, Mater Dei, ora pro nobis! Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós! Ó grande Mãe de Deus que por todos rogais, rogai a vosso Filho também por mim! Dizei-lhe que sou devoto vosso e que vós me protegei. Dizei-lhe que  em vos pus toda a minha confiança. Dizei-lhe que me dê o perdão e que detesto todas as ofensas que tenho feito. Dizei-lhe, enfim, que me quereis ver salvo.  Jesus faz tudo que vós lhe pedis. Ó Maria, esperança minha, em vós confio, tende piedade de mim.

 

Extraído de “Meditações para todos os dias do ano” – Tomo III

Por Santo Afonso Maria de Ligório