Meditação – Prática da devoção a Maria Santíssima.

Venerunt mihi omnia bona pariter cum illa – “Todos os bens me vieram juntamente com ela” (Sab. 7,11)

Sumário

Para que os nossos obséquios agradem á Mãe de Deus e nos façam dignos de seu patrocínio, duas coisas são necessárias: primeiro, devemos tributá-los com coração ou ao menos com o desejo de nos emendarmos; segundo, devemos ser constantes. Ah, quantos dos que estão agora no inferno, teriam sido santos, se tivessem perseverado nos seus obséquios á Santíssima Virgem! Lancemos um olhar sobre nós mesmos. Com que coração oferecemos a Maria as nossas homenagens? Qual é a nossa perseverança em oferecê-las?

I

É tão liberal e grata a Rainha do Céu, que, no dizer de Santo André Cretense, recompensa com riquíssimos prêmios os pequenos obséquios de seus servos. Para isto, contudo, são necessárias duas coisas: A primeira, que ofereçamos os nossos obséquios com a alma pura de pecados, ou ao menos com o desejo de sairmos dos vícios e da tibieza. Pois, se alguém quisesse continuar a pecar, com a esperança de que Maria  o havia de salvar por causa daquela sombra de devoção, pela sua culpa própria se tornaria indigno e insusceptível da proteção de Nossa Senhora. – A segunda condição é que se persevere na devoção á Virgem; porque, como diz São Bernardo: “Só a perseverança merece a coroa.” É muito notável a resposta que São João Berchmans deu na hora da morte a seus companheiros, quando estes lhe perguntaram o que deviam fazer para  merecerem a proteção de Maria: Quidquid minimum, dummodo sit constans. – Por pouco que seja, contanto que seja constante.

Os obséquios  mais agradáveis á Virgem são os seguintes: Consagrar-se-lhe de manhã e á noite, rezando três Ave-Marias. Recorrer frequentemente á sua intercessão, mormente nos perigos de ofender a Deus, e nunca recusar uma coisa que for pedida por amor d’ela. Alistar-se em alguma congregação da Virgem. Excitar os outros, por palavras e exemplos, a praticarem a devoção para com Nossa Senhora. Trazer sempre o santo escapulário, e rezar impreterivelmente cada dia o Terço, ao pé de uma imagem de Maria. Jejuar no sábado e nas vésperas as festas principais. Celebrar ou fazer celebrar ou pelo menos ouvir uma Missa em honra da Virgem; e honrar seus santos parentes e outros santos que mais se distinguiram  em sua devoção. Fielmente celebrar com fervor  as novenas de preparação para as suas festas; propondo-se a emenda de algum vício, ou a imitação de alguma virtude especialmente apropriada ao estado da alma e aproximando-se dos santos sacramentos.

Mas não te exorto tanto a praticar todos estes obséquios , como a praticares os que possas escolher ou já tenhas escolhido, com perseverança, temendo que, se te descuidares deles no futuro, percas a proteção da divina Mãe. Oh! quantos daqueles que agora estão no inferno teriam sido santos no paraíso, se tivessem perseverado dos obséquios a Maia, uma vez escolhidos e principiados!

II

Para conservação de teu fervor na devoção á grande Mãe de Deus, é utilíssimo escolheres cada  ano, entre as outras, alguma festividade da Virgem, á qual tenhas maior devoção e ternura, e fazeres nesta uma preparação particular, para de novo te dedicares de modo mais especial ao seu serviço, elegendo-a por tua Senhora, Advogada e Mãe. Nesse dia, depois da comunhão, pedir-lhe-ás perdão das negligências em servi-la no ano passado, e prometer-lhe-ás maior fidelidade para o ano seguinte. Rogar-lhe-ás, enfim, que te aceite por servo e te obtenha uma santa morte.

Santíssima Virgem e Mãe de Deus, Maria, eu, ainda que indigníssimo de ser vosso servo, confiado contudo na vossa admirável bondade e urgido pelo desejo de vos servir, vos escolho hoje, em presença de meu anjo da guarda e de toda corte celeste, para minha particular Soberana, Advogada e Mãe. Tomo a firme resolução de vos amar e servir sempre no futuro, e de fazer o que possa, para que de todos sejais amada e servida.

Suplico-vos, ó Mãe de Deus e minha Mãe piedosíssima e amabilíssima, suplico-vos pelo sangue de vosso divino Filho, derramado por mim, vos digneis admitir-me entre o número dos vossos devotos, para vosso filho e servo perpétuo.

Assisti-me em todos os meus pensamentos, palavras e ações e em todos os instantes de minha vida; de modo que todos os meus passos, todas as minhas respirações sejam ordenados para a maior glória de Deus. Fazei pela vossa intercessão poderosíssima que nunca mais ofenda o meu amado Jesus, mas sim, o glorifique e ame durante toda a minha vida. Dai-me também grande amor para convosco, minha Mãe queridíssima, afim de vos amar e gozar de vossa presença no paraíso, por todos os séculos.

Extraído de “Meditações para todos os dias do ano” – Tomo III

Por Santo Afonso Maria de Ligório