Penitência Quaresmal

Penitência Quaresmal

A Quaresma se aproxima. Mais uma entre tantas que já vivemos. Junto a ela vem também a expectativa (ou não, para os mais pessimistas) de que desta vez faremos melhor do que as outras vezes, com mais constância, mais devoção e com frutos mais duradouros. Seja qual for nossas disposições atuais, é tempo de se instruir sobre a importância da penitência Quaresmal, pois dela depende o nosso progresso na virtude da Penitência. E como ser santo, como se conformar com Nosso Senhor, sem essa virtude se ele nos diz: “Quem quiser vir após mim, tome sua cruz e siga-me”? Não há cristão sem Cristo e Cristo é inseparável da Cruz, por isso não há cristão sem Cruz.

A penitência é, por isso, conatural à nossa religião, e foi assim desde o princípio.  Quando interrogado sobre o motivo dos seus discípulos não jejuarem, Nosso Senhor respondeu que uma vez que ele tivesse partido, os discípulos jejuariam. Ele mesmo já havia dado o exemplo do Jejum de quarenta dias no deserto e de inúmeras noites passadas em vigília. E de fato, os documentos mais antigos que nos deixou a antiguidade cristã, já falam da prática da penitência.

Foi nos primeiros séculos, que na Igreja Romana a Quaresma tomou sua forma atual de quarenta dias e até há poucas décadas era de preceito que os católicos jejuassem durante todos esses dias, exceto o Domingo. Hoje a Igreja só nos obriga a jejuar no primeiro e último dia da Quaresma (Quarta-feira de Cinzas e Sexta-Feira Santa).

A prática de alguma penitência não deixou de ser importantíssima durante todos esses dias, porque continua sendo necessário para nós adquirir a virtude da penitência, e uma virtude só se adquire por repetição de atos. Ora, se fizermos somente o que é estritamente obrigatório, certamente não teremos adquirido essa virtude passados os quarenta dias.

Cabe a nós escolher bem e perseverarmos na nossa escolha. E para tanto, me parece que a penitência deve ter três características:

Simplicidade: Ser algo extremamente concreto, que possamos fazer todos os dias.

Humilde: As grandes penitências deixemos aos grandes santos. Tenhamos preferência pelas pequenas que além de nos mortificar, não nos fazem crescer no orgulho.

Caridosa: Não deve ser incômoda ao próximo, antes se ela puder ajudá-lo será ainda melhor.

Que a exemplo dos santos, nossos companheiros no seguimento de Cristo, e de Maria Santíssima, a toda entregue à vontade de Deus, possamos aproveitar este tempo de Graça e tomarmos o firme propósito de seguir os passos da Santa quaresma, pelo jejum, a oração e a penitência com os olhos fixos no Senhor, que quer nos fazer participantes da sua vida divina!
Pe. José Zucchi

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s